segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Por Que o Nascimento de Cristo Não Foi o Suficiente?

Sem dúvida, você já deve ter visto a representação do nascimento de Jesus Cristo em uma manjedoura. Maria, a virgem, deu à luz a Jesus, o Filho de Deus. "E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem." (Lucas 2:7). Milhões já nasceram e morreram. Pela primeira e única vez na história, nasceu um bebê que nunca daria as costas e desafiaria Sua mãe. Uma criança cresceria sem demandar atenção egoisticamente. Um adolescente viveria sem nunca desejar seguir Seu próprio caminho. Um jovem honraria Sua mãe sem nunca ser imprudente com ela. Um homem viveria sem pecado e teria o direito de viver para sempre. Deus havia profetizado isto muitos anos antes: "Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco." (Isaías 7:14, Mateus 1:23). Bilhões continuaram nascendo e morrendo desde aquele nascimento em Belém.

Meramente um Homem Maravilhoso?


Muitos olham para aquele homem, Jesus Cristo, como um exemplo maravilhoso, um ideal a se perseguir, ou uma distante, vaga e amigável figura. De fato, Seu nascimento e Sua vida deu tremendo prazer a Deus, o Pai. Deus disse: "Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo" (Mateus 3:17). Mas Deus, o Pai, tinha um propósito ainda mais profundo ao enviar Seu Filho para se tornar um homem. "O Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo" (1 João 4:14). O pecado poluiu o universo de Deus e Ele não pode aceitar pecadores em Sua presença. Ele afirmou claramente que "a alma que pecar, essa morrerá" (Ezequiel 18:20). Cada um de nós encaramos as consequências de nossos pecados - a morte e a eterna separação de Deus. Não pode haver pagamento por pecados sem haver alguém que dê sua vida. "Sem derramamento de sangue não há remissão" (Hebreus 9:22)

Levados a Deus


Jesus Cristo veio não só nascer e viver um vida perfeita, mas morrer e sofrer pelo pecado, "o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus" (1 Pedro 3:18). Ele tinha todo o direito de retornar ao Céu sem morrer. Ele não fez nada digno de morte. No entanto, o Senhor Jesus escolheu permitir que Ele mesmo fosse açoitado, insultado e crucificado. Então, enquanto pendurado na cruz, Ele aceitou a punição de um Deus santo contra o pecado  no lugar dos que o cometeram. Agora Ele pode oferecer uma justa salvação para qualquer um que vá até Ele para recebê-la.  Meramente uma vida perfeita, seja quão bonita for, não seria suficiente para salvar quem quer que seja, pois o amor de Deus nunca teria sido satisfeito com apenas isso. "Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores." (Romanos 5:8). E você, irá a Deus como um pecador para receber a salvação que Jesus Cristo, que agora está ressuscitado dentre os mortos, te oferece?


sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Uma Religião de Cinco Letras

"Há uma grande diferença entre a tua religião e a minha", disse uma senhora cristã a um amigo em uma conversa sobre crenças religiosas.

"Em que sentido?", perguntou ele.

"Tua religião tem apenas quatro letras, e a minha tem cinco,", ela respondeu.

Aparentemente o amigo dessa senhora era alguém que sentia ser necessário trabalhar e se esforçar para encontrar o caminho para o Céu. Ele seguia fielmente as ordenanças e cerimônias que sua religião requeria em sua tentativa de se tornar aceitável a Deus e ir para o Céu no final de sua vida. Ele baseava sua aceitação naquilo que a Bíblia chama de "obras mortas".

Ele não entendeu a referência que a senhora cristã fez às quatro letras e às cinco letras, e então perguntou: "O que você quer dizer com quatro letras e cinco letras?".

"Deixe-me explicar", disse a senhora. "Sua religião é f-a-ç-a, quatro letras, uma religião que requer que você FAÇA por merecer, já a minha religião é f-e-i-t-o, cinco letras, está tudo FEITO!"

A conversa acabou com este comentário, e a senhora seguiu seu caminho. Sua simples explicação, no entanto, permaneceu nos pensamentos do homem, fazendo com que ele tivesse sérios exames de consciência. Assim que considerou a comparação das duas palavras, a diferença se tornou evidente. Ele esteve tentando seguir regras e regulamentos concebidos e aceitáveis pelos padrões dos homens, mas Deus oferecia perdão de pecados através da obra consumada de Cristo na cruz.

As quatro letras e as cinco letras foram uma maneira incomum e original de explicar o evangelho, e foi bastante apropriado para este homem que havia sido ensinado a seguir restritas leis religiosas com o objetivo de adquirir uma recompensa do Céu. Ele percebeu que ele tinha sido um legalista, esperando que guardar estas leis cancelaria seu pecado, enquanto a Bíblia ensina que nenhuma obra que fizermos pode cancelar um só pecado. "Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia" (Isaías 64:6). "Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou." (Tito 3:5)

A próxima vez que ele viu sua amiga, ele lhe disse: "Agora também posso dizer que minha religião é f-e-i-t-o, FEITO."

O Espírito de Deus mostrou-lhe que suas ações religiosas eram inúteis para remover seus pecados, mas que tudo o que Deus requeria para liquidar a questão do pecado era aceitar a obra consumada de Cristo. Ele entendeu que não era mais uma questão do que ele podia fazer por Deus, mas o que o Filho de Deus fez por ele.

Fonte: http://bibletruthpublishers.com/gospel-tract-a-four-letter-religion-full-color-grace-saviour-sin-finished-work/pd2287

domingo, 8 de dezembro de 2013

Dois Servos, Duas Expectativas

(Comentário Mateus 24:42-51)

Veja:


Jesus termina o capítulo 24 de Mateus exortando seus discípulos a vigiarem para não serem pegos de surpresa pela sua vinda. Embora a exortação seja primeiramente aplicada a Israel, ela também serve para aqueles que creram em Jesus em qualquer época. Vigiar é manter-se sempre acordado e preparado, ciente de que algo está para acontecer.

Aqueles que em todas as épocas receberam a responsabilidade de zelar pelas coisas de Deus não podem viver de qualquer jeito e sem qualquer expectativa da volta de seu Senhor. Israel já teve a chance de mostrar que não estava esperando por seu Messias, pois quando ele veio para o que era seu, os seus não o receberam. Agora é a vez da cristandade mostrar sua indiferença para com a volta do Senhor a qualquer momento.

Começando no capítulo 24 e continuando no capítulo 25, Jesus conta três parábolas: a dos dois servos, das dez virgens e dos diferentes talentos. Basicamente elas nos falam da necessidade de sermos fiéis, vigilantes e produtivos durante a ausência do Senhor. Lembre-se de que fidelidade, vigilância e trabalho são coisas que acompanham a salvação, e não meios para se chegar a ela. A salvação é recebida exclusivamente por graça e não por nossos esforços. Somente o sangue de Jesus derramado na cruz pode nos purificar de nossos pecados. 

O foco das três parábolas está na atitude daqueles que professam fé em Jesus durante a sua ausência. Nelas Jesus é representado respectivamente pelo senhor dos servos, pelo noivo e pelo homem que viaja e deixa recursos para seus servos multiplicarem. Nas três você encontra aqueles que são fiéis e aqueles que apenas professam uma fidelidade que na realidade não existe. 

O servo fiel da primeira parábola vive na expectativa da volta de seu senhor a qualquer momento. Sua expectativa é premiada no versículo 46, onde é chamado de bem aventurado ou feliz. Assim será no arrebatamento da Igreja. O servo infiel, por sua vez, não tem qualquer senso de responsabilidade, pois acredita que seu senhor irá demorar. Ele se sente melhor na sua ausência do que na sua presença. Nos versículos 50 e 51, que representam a vinda de Cristo para reinar, ele é pego de surpresa; é surpreendido como se um ladrão invadisse sua casa para privá-lo das coisas que ele mais preza.

Como você se sente em relação a Jesus? Prefere acreditar que é o melhor mesmo é que ele demore, para você aproveitar a vida? Se ele voltar agora, isso vai estragar seus planos? Afinal, você tinha tantos planos, tantas coisas ainda que queria realizar para Deus... sei. Se você considera a volta de Jesus um estorvo, é melhor checar essa sua fé. Nesta parábola, o servo que não espera por seu senhor é chamado de hipócrita e condenado no final. Sua fidelidade não era real. Nos próximos 3 minutos encontraremos dez virgens e suas lâmpadas.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

O Incêndio Florestal

No dia 1º de Setembro de 1894, em uma densa floresta de Minnesota, um enorme incêndio florestal veio furiosamente sobre uma pequena cidade madeireira chamada Hinckley. Enquanto paredes de chamas rugiam em sua direção, os aterrorizados habitantes corriam em pânico em direção aos trilhos de trem, o único caminho limpo através da floresta.

Enquanto fugiam descontroladamente da cidade e seus incendiados edifícios, eles viram um trem passageiro correndo pelos trilhos em direção à cidade, com destino à cidade de St. Paul. Jim Root, o engenheiro da locomotiva, viu o fogo e achou que conseguiria passar pelo inferno, mas ao chegar mais perto de Hinckley, percebeu que era tarde demais. O cavalete à frente havia ruído em chamas.

Invertendo o motor, Jim segurou seu trem ali tempo suficiente para permitir que a multidão fugitiva subisse à bordo. No momento em que a última pessoa subiu, as chamas rodeavam seu trem. Então ele engatou o trem, para trás e à toda velocidade, em direção ao lago mais próximo, o Lago Skunk, a seis milhas dali.

Através da Fornalha Ardente


Através de uma fornalha de chamas de fogo eles mergulharam. O ar superaquecido explodia contra a locomotiva, e os vidros voavam para todo lado enquanto as janelas se despedaçavam. O vagão de bagagens pegou fogo, e seu caminho ao longo dos trilhos deixava rastros da queimada.

Pedaços de detritos flutuantes rasgavam a face e os ombros de Jim; as chamas queimavam seu cabelo, seu rosto e suas mãos. Desmaiado por causa da fumaça, ele caiu inconsciente, até que Jack McGowan, um bombeiro, jogou um balde de água fria nele. Rangendo os dentes, ele voltou a abrir a válvula, e o trem continuou através do inferno com sua carga de pessoas a gritar, chorar e orar.

Finalmente, Jim poderia dizer pelos seus olhos inchados que eles haviam chegado ao lago. Ele bateu no freio e caiu. Os passageiros pularam para fora, quebraram a cerca ao redor do lago e mergulharam na fresca umidade enquanto o fogo rugia sobre eles. McGowan e dois outros homens puxaram Jim Root da cabine, e o arrastaram, terrivelmente queimado, até o lago.

O fogo passou, deixando o trem parecendo um esqueleto de metal retorcido. Jim Root sobreviveu, mas ficou com cicatrizes para o resto da vida. Sua bravura e coragem tinha salvo muitas vidas, mas a um custo terrível para ele mesmo.

Uma Outra Fornalha


Existe outro que passou através do fogo - o terrível fogo do juízo de Deus sobre o pecado. Foi o Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, que sofreu mais na cruz do que possamos conhecer ou compreender - e Ele fez isto para salvar a outros. ("Salvou os outros, e não pode salvar-se a si mesmo", provocava a multidão que assistia sua crucificação). Ele também foi ferido e marcado para nos trazer a salvação: "Ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados." (Isaías 53:5)

Os fugitivos aldeões próximos a Hinckley subiram a bordo do trem de Jim Root e ficaram profundamente agradecidos pelo seu sacrifício ao salvá-los do fogo. Aqueles que aceitam o sacrifício de Jesus também são salvos, salvos do terrível fogo do inferno. Os passageiros foram salvos - e você? "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo." (Atos 16:31)

Anjos que Condenam

(Comentário Mateus 24:34-41)

Veja:

Nos últimos 3 minutos vimos Jesus enviando seus anjos numa missão de resgate, para repovoar a terra de Israel com todas as doze tribos. Agora os anjos são enviados numa missão de juízo e condenação.

Você se lembra da parábola do joio e do trigo no capítulo 13? O dono do campo semeou o trigo, mas o inimigo, o diabo, plantou o joio. As sementes crescem juntas, mas no final os anjos são enviados para amarrar o joio em feixes para ser queimado. Lá diz assim:

"O Filho do Homem enviará os seus anjos, e eles tirarão do seu Reino tudo o que faz tropeçar e todos os que praticam o mal. Eles os lançarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes. Então os justos brilharão como o sol no Reino do seu Pai".

Jesus alerta que passarão os céus e a terra, mas suas palavras não passarão. Portanto, cedo ou tarde tudo acaba se cumprindo exatamente do jeito que ele falou. Ele diz também que ninguém sabe o dia e a hora, por isso qualquer especulação nesse sentido é bobagem. Tudo o que podemos saber é a época, com base nos sinais que ele mesmo revelou. Como já vimos, a figueira que voltou a dar folhas é um deles.

Agora ele fala dos tempos de Noé, quando o povo não estava nem aí para aquele sujeito que vivia dizendo que ia cair uma tempestade e inundar tudo. Não era para menos. Primeiro, quem acreditaria num homem que estava construindo um navio em terra seca? Segundo, quem acreditaria na possibilidade de chover? Na Bíblia você não encontra chuva antes do dilúvio, mas em Gênesis diz que a terra era regada por uma neblina. O discurso de Noé falando do dilúvio era inacreditável para os seus contemporâneos. As coisas que Jesus diz aqui são inacreditáveis para o homem moderno. É por isso que é preciso fé para crer na Palavra de Deus.

Recapitulando, vamos ver o que vem por aí. Primeiro, num piscar de olhos parte da população do mundo irá desaparecer no arrebatamento da Igreja, que são os salvos por Jesus. Depois haverá 7 anos de tribulação e Jesus voltará para estabelecer o seu Reino neste mundo. As dez tribos perdidas de Israel serão reunidas por anjos às outras duas na terra prometida. Os anjos também sairão por aí para recolher o joio e lançá-lo no lago de fogo, junto com a besta e o anticristo que inaugurarão o lugar. O capítulo 24 de Mateus nos dá mais detalhes desse arrastão dos anjos na colheita do joio.

Duas pessoas estarão juntas, uma será levada e a outra deixada. Isso não é o arrebatamento da Igreja. No arrebatamento da Igreja é o próprio Senhor, e não os anjos, quem recolhe os crentes. Além disso, a comparação aqui é com o dilúvio, quando os incrédulos foram levados pelas águas do juízo de Deus, enquanto Noé e sua família estavam a salvo na arca. Portanto Jesus está falando dos incrédulos que são levados pelos anjos para o lago de fogo, não para o céu. Nos próximos 3 minutos conheceremos dois servos, um fiel, outro não.

domingo, 17 de novembro de 2013

Duda e Elisiário

Quando Fernando decidiu me visitar em Alto Paraíso, uma pequena povoação no Brasil central, sugeri que convidássemos algumas pessoas para ouvi-lo falar do Evangelho. Havia um homem trabalhando em meu sítio e foi ele o primeiro a ser convidado. Ele tinha se mudado da Bahia para Alto Paraíso e seu nome era Elisiário, um nome não muito comum mesmo no Brasil. 

Andando pelas ruas da cidade, Fernando e eu encontramos uma jovem que acabara de chegar, e seu apelido era "Duda". Ela viera do Paraná, no sul do Brasil, com um grupo de estudantes e participava do Projeto Rondon, um programa de ajuda do governo. Duda não conhecia pessoa alguma naquela cidade, mas nos encontramos na rua e ela acabou sendo convidada também para ir à pregação do evangelho. 

Naquela noite no pequeno salão de reuniões, Fernando falou do amor de Deus em entregar Seu Filho amado para morrer na cruz para salvar pecadores. E falou também do desejo de Deus em salvar a todos os que estavam naquele pequeno salão que desejassem crer no Senhor Jesus naquela mesma noite. Deus de bom grado perdoaria seus pecados e salvaria suas almas levando-os para o céu. 

Ao terminar a mensagem, Fernando fez um convite sincero. E por se lembrar do nome de apenas duas pessoas que havia encontrado naquele dia, as quais nem mesmo se conheciam, Fernando decidiu usar seus nomes como exemplo do desejo de Deus em salvar. Ele disse: 

– Deus quer ver você, Duda, e Deus quer ver você, Elisiário, com Ele no céu! 

Aquela frase atingiu Duda como um raio, e logo ela estava chorando pelo fardo de seus pecados e creu no Salvador Jesus. Em lágrimas ela nos contou que Deus estava falando com ela naquela noite. Ela contou que quando era muito pequena seu pai havia morrido em um acidente de caminhão. Seu grande desejo era poder ver seu pai, de quem ela não tinha nenhuma recordação. Mas sua mãe sempre a consolava dizendo, "Duda, um dia você vai se encontrar com seu pai no céu"

Foi por esta razão que Duda ficou tão impressionada quando escutou Fernando dizer: 

– Deus quer ver você, Duda, e Deus quer ver você, Elisiário, com Ele no céu! 

O pai de Duda também se chamava Elisiário! 

E você, não quer também ir para o céu para estar com o Senhor Jesus que ama você e morreu por você? Creia nEle agora como seu Salvador e um dia você estará com Ele, e com todos aqueles que já partiram para estar com Ele por terem seus pecados lavados por Seu precioso sangue. 

"Àquele que nos ama, e em Seu sangue nos lavou dos nossos pecados" (Apocalipse 1.5).

sábado, 16 de novembro de 2013

Anjos Que Resgatam

(Comentário Mateus 24:31-34)

Veja:

Ao retornar, Jesus envia os seus anjos em duas missões distintas. Uma é para que reúnam dos quatro cantos do mundo os seus eleitos e os levem à terra de Israel numa operação de resgate sem precedentes. Que eleitos são esses? Por outras passagens sabemos que a Igreja é o povo que Deus elegeu antes da fundação do mundo, e que Israel é o povo eleito desde a fundação do mundo. Já que a essa altura dos acontecimentos a Igreja não está mais no mundo, pois foi arrebatada antes dos 7 anos de tribulação, os eleitos aqui são israelitas.

Uns 700 anos antes de Cristo, dez tribos de Israel foram levadas para o exílio, se dispersando entre as nações e perdendo sua identidade. Depois da morte de Jesus, as tribos de Judá e Benjamim, que permaneceram na terra de Israel, acabaram também exiladas por 2 mil anos, até a fundação do Estado de Israel em 1948. Os anjos que Jesus envia neste capítulo resgatam e levam para Israel os descendentes das dez tribos perdidas, que hoje ninguém sabe quem são e onde estão, além de judeus de Judá e Benjamim que ainda não tiverem retornado.

Antes que você me pergunte onde caberá tanta gente, lembre-se de que a população do mundo terá diminuído durante as catástrofes dos 7 anos de tribulação. Além disso, a terra de Israel a partir desse ponto não está limitada ao território hoje ocupado pelo atual Estado de Israel. A terra prometida inclui a faixa de Gaza, Cisjordânia, Líbano e parte da Síria. A atual ocupação foi feita por judeus ainda rebeldes, descendentes daqueles que há 2 mil anos condenaram o Messias à morte.

Jesus avisa que um prenúncio de sua vinda é a figueira com ramos tenros e folhas brotando. Hoje Israel está assim, apenas com folhas, sem frutos para Deus, como a figueira do capítulo 21 de Mateus que Jesus fez secar. Se você abrir um jornal ou ligar o noticiário agora mesmo, sou capaz de apostar como verá alguma notícia dessa figueira. Isso é um sinal da proximidade da volta de Cristo descrita aqui. Se o arrebatamento da Igreja acontecer hoje, a contagem regressiva será de aproximadamente 7 anos. Para quem já escutou o evangelho da graça de Deus, a única chance de salvação é crer antes do arrebatamento. Depois, só haverá salvação para quem não foi evangelizado ou não tinha idade suficiente para entender. Você sabe que estou falando com você, não?

Jesus avisa que não passará esta geração antes que todas essas coisas descritas neste capítulo aconteçam. Que geração? Não pode ser a geração dos tempos de Jesus, pois aquela já morreu. Resta a geração dos que hoje estão vendo a figueira dar folhas: a minha geração e a sua geração. Em Apocalipse Jesus promete livrar sua Igreja da tribulação que está para vir sobre todo o mundo. Não preciso repetir que Igreja não é uma organização religiosa, mas o conjunto dos que creem em Jesus. Muito bem, o aviso de embarque já foi dado. O cartão de embarque diz mais ou menos assim: "Eu creio no Senhor Jesus como meu Salvador". Você tem esse cartão? Nos próximos 3 minutos os anjos saem para outra missão, uma missão terrível.

sábado, 9 de novembro de 2013

Está Você Isento?

William Saroyan foi uma figura da literatura conhecida internacionalmente. Ele ganhou um Prêmio Pulitzer por sua obra, porém recusou-se a aceitá-lo. Na idade de 15 anos, ele deixou a escola para seguir esta carreira, e aos 26 estava bem estabelecido como um gênio em escrita criativa. Ele morreu de câncer aos 72 anos de idade.

Cinco dias antes de morrer , o Sr. Saroyan deixou uma declaração para ser impressa no jornal após sua morte. Aqui está o que ele disse:

"Todo mundo morre um dia, mas eu sempre acreditei que uma exceção seria feita no meu caso . O que vem agora?"


Qualquer um que esteja familiarizado com a mensagem da Bíblia teria sido capaz de dar a este famoso homem uma resposta à sua pergunta: "O que vem agora?"

O Que Vem Depois?


A Bíblia nos diz claramente o que vem depois da morte : "Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" (Hebreus 9:27). O Sr. Saroyan tinha esperanças de que uma exceção pudesse ser feita em seu caso, mas como se aproximava o momento de sua partida, ele percebeu que tinha alimentado uma esperança irrealista . Fama, talento e pensamento positivo são coisas muito vazias e que não oferecem conforto algum na presença da morte.

Vamos ouvir novamente a Bíblia, a Palavra do Deus vivo, que é a única fonte confiável de informações sobre o assunto. Existe uma ressurreição. Esta vida não é o fim da história para nenhum de nós: "Pois quê? julga-se coisa incrível entre vós que Deus ressuscite os mortos?" (Atos 26:8). Jesus mesmo disse: "Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida, e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição da condenação" (João 5:28-29). Jesus Cristo é a grande prova da ressurreição: "Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras ... Ele foi sepultado ... Ele ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras" (1 Coríntios 15:3-4).

Aqueles que morrem sem crer no Senhor Jesus Cristo morrem sem esperança e vão para uma eternidade de perdição: "Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus" (Salmo 9:17). Jesus disse: "Se não credes que eu sou, morrereis nos vossos pecados. ... Para onde eu vou, vós não podeis ir" (João 8:21,24). As pessoas que morrem na incredulidade serão ressuscitadas somente para serem julgadas no Grande Trono Branco, conforme registrado em Apocalipse 20:11-15.

Aqueles que aceitaram Jesus como Senhor e Salvador entram em Sua presença imediata quando seu corpo morre: "Hoje estarás comigo no paraíso" (Lucas 23:42-43). "Ausente do corpo , e ... presentes com o Senhor" (2 Coríntios 5:8).

A Bíblia também ensina claramente que o Senhor Jesus Cristo voltará. Ele afirmou isto: "virei outra vez" (João 14:3). Nós não sabemos quando isso vai acontecer, mas quando acontecer, todos os crentes que estiverem vivos, bem como aqueles que morreram na fé, serão levados corporalmente ao céu. Ouça estas maravilhosas palavras: "O mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor." (1 Tessalonicenses 4:16-17). Após esse evento, haverá um tempo de severos julgamentos de Deus sobre o mundo antes de Jesus Cristo voltar com os Seus santos para reinar como Rei dos reis e Senhor dos senhores durante mil anos de paz. Ver Apocalipse 20:4-6.

Essa mensagem chegou a você com o meu desejo de que você possa estar entre o número daqueles que creem no evangelho e, portanto, pertencem a Cristo . Com alegria e esperança podemos enfrentar todas as questões sobre a morte e a eternidade vindoura. A obra consumada de Cristo na cruz do Calvário é suficiente para Deus. Seu sacrifício foi aceito! "O sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado" (1 João 1:7). "Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Romanos 10:13).

A Segunda Vinda de Cristo

(Comentário Mateus 24:27-30)

Veja:


A segunda vinda de Cristo é visível em todo o mundo, ao contrário do arrebatamento secreto dos que creram em Jesus, que deve ocorrer cerca de 7 anos antes. "Assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra no Ocidente, assim será a vinda do Filho do Homem"

Quando Jesus veio da primeira vez como um humilde ser humano, ele foi rejeitado e entregue à morte. Sua segunda vinda não será assim. Ele não virá mais como o servo que se esvaziou a si mesmo, mas virá em glória e majestade. Quando ele morreu na cruz houve trevas por toda a terra e a terra tremeu. Quando ele voltar o sol voltará a se escurecer e todo o firmamento será abalado. Mateus fala de estrelas cadentes, e do sinal do Filho do Homem sendo visto por todos no céu.

Aí sim vai cair a ficha para muitos. Todas as nações do mundo se lamentarão quando virem o Filho do Homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande glória. O profeta Zacarias revela os sentimentos de Jesus nessa hora: "Olharão para mim a quem traspassaram e lamentarão"

Você pode imaginar o que será ver retornar assim aquele de quem os homens achavam ter se livrado lá na cruz? É o mesmo Jesus que o povo escolheu para morrer em lugar de Barrabás, um ladrão e assassino, sem imaginar que ele estava realmente morrendo ali no lugar dos pecadores. É o mesmo em nome de quem foram realizadas cruzadas e guerras sangrentas. O mesmo em nome de quem foram assassinados milhões de verdadeiros cristãos. É o mesmo cujo nome é hoje explorado por mercadores de almas.

Sim, naquela hora ninguém terá dúvida. O desprezado carpinteiro agora surge como Rei de reis e Senhor de senhores. O condenado aflito, cujo rosto foi alvo de socos e cuspidas de seus algozes, desce agora com seu rosto brilhando como o sol. O humilde Cordeiro agora vem como Leão, não mais montado num jumentinho, mas tendo as nuvens como sua carruagem.

A vinda de Jesus será digna daquele que é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, homens e anjos. Todas as coisas foram criadas por ele e para ele, do átomo ao universo com suas incontáveis galáxias. Ele é antes de todas as coisas e nele tudo subsiste. Ele é o que mantém todas as coisas pela Palavra do seu poder, inclusive eu e você. 

Se você ainda não creu em Jesus, a hora é agora. Os que não crerem antes do arrebatamento secreto da Igreja, passarão os 7 anos de tribulação acreditando piamente no Anticristo, e verão Jesus vindo dos céus, não mais como Salvador, mas como Juiz. Hoje a salvação é oferecida de graça. Depois? Não pague pra ver. Nos próximos 3 minutos os anjos partem numa missão de resgate.

M. Persona. Fonte: http://www.3minutos.net/2009/01/100-segunda-vinda-de-cristo.html

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Atacados Por Um Urso!

Era um agradável e ensolarado dia de agosto em um vilarejo na costa de New Bruswick, Canadá. Damian e Danny, ambos com dezesseis anos, resolveram dar uma caminhada em uma das trilhas da floresta próxima à aldeia. Nunca lhes passou pela cabeça que pudesse existir qualquer perigo em andar por aquelas trilhas, mas não demorou para que se achassem envolvidos nas mais aterradoras três horas de suas vidas. 

Geralmente a vida é assim. As coisas parecem estar bem tranquilas até que, de repente, sem nenhum aviso, acontece um acidente sério ou surge uma doença grave que muda tudo. A Palavra de Deus, a Bíblia sagrada, nos diz em Provérbios 27.1: “Não presumas do dia de amanhã, porque não sabes o que ele trará”

Logo Danny e Damian encontraram um ninho de águia-pescadora sobre uma árvore em meio a um campo de amoreiras, e pararam para observá-lo. Eles notaram que tudo estava estranhamente quieto – quieto até demais. Quando olharam para trás, a menos de dez metros deles havia um enorme urso negro! Aquilo causou um imenso susto nos rapazes, mas não tiveram muito medo, pois haviam lido que os ursos negros costumam evitar as pessoas. Eles começaram então a se afastar vagarosamente. 

Mas, de repente, o urso começou a correr em direção a eles. Os rapazes sabiam que é impossível se escapar de um urso correndo, e bem no lugar onde estavam não havia uma árvore baixa onde pudessem subir. Valendo-se de um último recurso, usado por caçadores em situações semelhantes, os dois se jogaram no chão e fingiram estar mortos, encolhendo-se para protegerem os braços e as pernas. Eles esperavam desesperadamente que o urso perdesse o interesse neles e fosse embora. Porém, por alguma razão desconhecida, o urso não estava reagindo como a maioria dos ursos negros. 

Ele andou ao redor dos rapazes, cheirou-os, ergueu-se sobre as patas traseiras, deu tapas nos arbustos que havia atrás deles, e até mordeu o sapato de Damian. Depois de algum tempo, já parecia ter perdido o interesse nos rapazes; foi o suficiente para que os dois saíssem em disparada, tentando fugir. Mas aquilo despertou novamente o interesse do urso, que passou a persegui-los. O urso estava quase alcançando os dois, quando novamente resolveram fingir que estavam mortos. 

Mais uma vez o urso andou ao redor deles, e voltou a se erguer sobre as patas traseiras. Os dois amigos, petrificados de medo, podiam escutar a respiração do urso próximo a eles. O tempo parecia haver parado, mas na verdade algumas horas se passaram. O urso parecia não ter pressa. 

O que se seguiu foi a pior parte. O urso cheirou Damian e depois Danny. Voltando para Damian, enfiou seu focinho por debaixo do braço do rapaz e tentou virá-lo de barriga para cima. Damian ficou firme, todo encolhido. O urso voltou-se para Danny. Arrancou sua bota, lambeu sua perna e calcanhar, e então mordeu o calcanhar de Danny! Depois de lamber os dedos do pé de Danny, deu uma mordida em seu dedão! Então passou a lamber o cotovelo de Danny, e resolveu mastigar um pouco a bota de borracha. Voltou-se outra vez para Damian deu-lhe várias mordidas nas costas e nádegas, fazendo o mesmo com Danny. 

Quando os jovens pensaram que o urso estava desistindo outra vez, ele resolveu voltar a andar ao redor dos rapazes novamente. Arrancou a outra bota de Danny e a mastigou. Finalmente o urso se afastou. 

Os dois rapazes, feridos, puseram-se em pé. Achando que o urso poderia voltar a persegui-los, correram o mais que podiam até o fim da trilha. Foram em direção à primeira casa que encontraram e, felizmente, a porta da frente estava destrancada. Nem bem haviam entrado, chegou o urso feroz, arrancou as roupas do varal e rasgou a tela que havia na porta dos fundos. Mas agora Danny e Damian estavam a salvo! 

Pare um pouco para pensar. E se fosse você que estivesse sendo atacado por um urso e não conseguisse escapar? Cada um de nós tem uma alma que viverá para sempre, no céu ou no inferno. Para onde iria a sua alma? Quero contar a você algo muito importante sobre Danny e Damian. Ambos já haviam aceitado o Senhor Jesus Cristo como Salvador e Senhor, e sabiam que podiam confiar nEle. Enquanto o urso os atacava, eles oravam ao Senhor, pedindo por ajuda. “Invoca-me no dia da angústia; Eu te livrarei, e tu Me glorificarás.” 

Eles sabiam que suas orações tinham sido ouvidas e que foi o Senhor Quem os ajudou a manter a calma e a coragem. Eles também sabiam que, se não sobrevivessem, estariam com o Senhor Jesus no céu. Mas, pela misericórdia do Senhor, eles se recuperaram dos ferimentos e hoje dão graças ao Senhor. 

Você também pode ter esta maravilhosa certeza aceitando, de Deus, o dom gratuito da salvação por meio de Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. Não despreze isto, pois Ele logo voltará para levar os que são Seus para o céu, para que estejam eternamente com Ele. Esteja pronto, como Danny e Damian.

A Grande Tribulação

(Comentário Mateus 24:15-26)

Veja:



O discurso de Jesus continua realçando o caráter judaico de Mateus 24. No versículo 15 chegamos à profanação do Templo de Jerusalém, descrita pelo profeta Daniel. Quando os judeus fiéis, desse tempo que ainda é futuro, virem o sacrilégio cometido no lugar santo saberão que é chegada a hora. Para que isso aconteça é preciso que exista outra vez o Templo, portanto ele será reconstruído. A frase "quem lê, entenda" tem grande significado para os judeus fiéis que lerão o profeta Daniel e entenderão que é chegada a hora.

O capítulo continua mostrando que é dirigido a judeus. Além da referência ao Templo, que é destruído e reaparece profanado no versículo 15, Jesus fala de falsos profetas, pois foram profetas que levaram a Palavra de Deus a Israel. As advertências dos apóstolos feitas à Igreja é contra falsos mestres. Jesus fala também de falsos cristos que farão grandes milagres, e lembre-se de que "Cristo" significa "Messias". Sempre existiu gente por aí dizendo ser Jesus, querendo enganar os cristãos, mas quantos você encontra dizendo ser o Cristo, o Messias de Israel, tentando enganar os judeus?

As pessoas às quais a profecia é dirigida estão na Judeia, e são exortadas a fugirem para os montes e orarem para que a fuga não aconteça no sábado, que é o dia em que os judeus não podem viajar, ou no inverno, que obviamente só abrange um hemisfério. Jesus está falando de uma tribulação como nunca houve desde o princípio do mundo, portanto não pode ser associada a qualquer perseguição, holocausto ou guerra da história, pois esta precede a volta de Cristo, o que ainda não aconteceu.

O capítulo 2 da segunda carta aos Tessalonicenses diz que então será revelado o Anticristo, o mestre dos milagres, que se assentará no Templo de Jerusalém proclamando ser Deus. Diz também que Deus fará com que creiam na mentira e sigam o Anticristo todos os que ouviram o evangelho, e foram deixados para trás no arrebatamento da Igreja. Portanto, se você ouviu o evangelho da graça e ainda não tomou uma decisão, a hora é agora. Depois só será salvo quem nunca foi evangelizado antes.

O Anticristo só se manifestará depois que aquele que o detém, o Espírito Santo, for tirado da Terra. No capítulo 2 de Atos dos Apóstolos o Espírito Santo desceu ao mundo e passou a habitar individualmente em cada pessoa que crê em Jesus, e coletivamente na Igreja. Quando os crentes em Jesus forem tirados da Terra no arrebatamento, o Espírito, que é o penhor ou garantia da sua salvação, será tirado com eles. Quem for evangelizado depois disso e crer em Jesus terá o Espírito sobre si, como nos tempos do Antigo Testamento, mas não habitando em si, como acontece hoje.

Se você crê realmente em Jesus, você tem o Espírito Santo, pois a Bíblia diz que se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. Você é de Jesus? Nos próximos 3 minutos o firmamento é abalado com a impressionante volta de Cristo.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Um Amigo Fiel

O cachorro do fazendeiro tinha sido muito útil para ele, mas o cão estava ficando velho. O fazendeiro então, cruelmente, decidiu afogá-lo.

Levando o cachorro a um grande rio perto da fazenda, o fazendeiro subiu num barco e remou para a parte mais profunda. Ele amarrou uma corda ao redor do pescoço do cão e atou a outra ponta em uma pedra pesada. Então ele jogou ambos na água.

O pobre cachorro afundou, mas a corda arrebentou. O cachorro subiu à superfície e, com um gemido, tentou voltar para o barco. Sem dar atenção, seu mestre empurrou repetidamente o cão, que lutava para sobreviver, para longe do barco. Finalmente, o fazendeiro ficou em pé no barco, com a intenção de bater em seu cachorro forte o bastante com o remo para mandá-lo para o fundo. No entanto, perdendo o equilíbrio, o fazendeiro caiu na água.

O Amável Amigo


O homem não podia nadar, e estava muito longe para alcançar o barco. O cachorro viu que seu mestre estava se afogando e, apesar do cruel tratamento que recebeu dele, o cão nadou até ele, o pegou firme pela roupa, e levou seu mestre em segurança até a margem.

Quão cruel e sem compaixão foi o fazendeiro com seu fiel cão! Podemos até pensar que o homem merecia se afogar, e esperamos que tenha havido uma mudança em seu coração e que tenha recompensado seu fiel amigo cuidando bem dele pelo resto de sua vida.

Agora, vamos reverter esse quadro. Não estamos eu e você, e todo mundo, muito mais culpados que o fazendeiro em nosso tratamento no que diz respeito à bondade e amor do Filho de Deus, o Senhor Jesus Cristo?

Considere Isto


Jesus veio a este mundo e passou Sua vida fazendo o bem, curando os doentes, dando visão aos cegos, ressuscitando os mortos, alimentando os famintos, e trazendo alegria e alívio aos cansados e oprimidos. Mas como Ele foi tratado em troca? Os homens gritaram: "Tira, tira, crucifica-o" (João 19:15), e o pregaram numa cruz para morrer!

Quão maus e cruéis foram os homens ao entregar à morte Jesus, o Filho de Deus - o homem perfeito e sem pecado enviado em amor por Deus. Entregando-O à morte eles expuseram o ódio e hostilidade do coração do homem para com Deus.

Quem Tem um Coração Pecador?


Será que aqueles homens que entregaram Cristo à morte foram os únicos que tinham corações pecadores? Certamente que não! Você e eu temos corações pecadores do mesmo modo como aqueles que bradaram: "Tira-O", porque Deus diz: "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?" (Jeremias 17:9). Assim como aqueles homens, uma hora queremos receber Suas bençãos e na outra desejamos nos livrar dEle caso Ele diga algo que não esteja conforme o que desejamos.

Contemple o bendito Filho de Deus na cruz. Ele não demonstra resistência à crueldade infringida a Ele. Ele não diz uma palavra de raiva ou mostra ressentimento. O profeta Isaías declara: "Como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores" (Isaías 53:7). Em vez disso, quando tudo se encontra contra Ele, Seu amor flui para um mundo de pecadores culpados. Ele ora: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lucas 23:34).

A cruz é o lugar onde os homens tentaram se livrar dEle. No entanto, Sua morte e ressurreição se tornaram o meio pelo qual Seu poder salvador flui a todos que vão a Ele em arrependimento, admitindo serem pecadores, e recebendo Ele como seu Salvador e Senhor.

O cachorro fiel salvou a vida de seu mestre ingrato, mas Jesus salva não apenas por um tempo, mas por toda a eternidade. Ele dá a vida eterna a todo o que nEle crê!

Fé no Salvador


Se você ainda não colocou sua fé nesse bendito Salvador, receba-O agora antes que seja tarde. Em breve Ele virá em julgamento para este mundo, quando Sua ira virá "ardendo como fornalha" (Malaquias 4:1). Então Ele será seu juíz!

"Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados." (1 João 4:9-10)

A Tribulação

(Comentário Mateus 24:4-14)

Veja:

No capítulo 24 de Mateus, Jesus explica aos judeus fiéis como serão os 7 anos da tribulação que precede sua vinda para reinar neste mundo. O princípio das dores, ou a primeira metade dos 7 anos, será caracterizado por muitos que afirmarão ser o Cristo, o Messias esperado, enganando muita gente. Jesus fala de guerras, fomes e terremotos como característica do início das dores.

Guerras, fomes e catástrofes naturais sempre ocorreram, portanto ele está falando aqui dessas coisas num grau nunca visto antes. Em seguida ele fala de seus discípulos, que serão perseguidos, mortos e odiados por todos. Apesar de vermos isso também na história da Igreja, ele está falando do que ocorrerá àqueles que se converterem durante os 7 anos de tribulação que ainda estão por vir, principalmente dentre os judeus.

Então vem uma frase que costuma ser mal interpretada por muitos cristãos: "Aquele que perseverar até o fim será salvo". Considerando que ele está se dirigindo a judeus, dentro do contexto do judaísmo, faça a seguinte pergunta: O que um discípulo judeu entenderia por "ser salvo"? Certamente não o mesmo que eu e você entendemos, vivendo hoje num contexto religioso e cultural do cristianismo, cuja esperança é celestial. A esperança do judeu no Antigo Testamento era terrena.

A ideia de ir para o céu era estranha a um judeu. Sua esperança estava no estabelecimento do reino do Messias nesta terra, na libertação de seus inimigos e na prosperidade material. Diante do cenário que Jesus estava descrevendo, para um judeu, ser salvo significava conseguir sair vivo daquela situação e poder participar do Reino. Portanto, Jesus está falando de uma salvação do corpo, de alguém que é livrado da morte. A perseverança aqui é para estar são e salvo na chegada do Rei Jesus e do seu Reino. Antes que isso aconteça Jesus diz que o evangelho do Reino será pregado em todo o mundo.

O evangelho do Reino não é o que é pregado hoje; era o que João Batista pregava e voltará a ser pregado depois do arrebatamento da Igreja. João Batista anunciava que o Messias e Rei havia chegado, algo do tipo "arrependam-se que o Reino de Deus é chegado". Se os judeus não tivessem rejeitado seu Messias da primeira vez, o Reino teria sido estabelecido neste mundo. Hoje entendemos que essa rejeição foi utilizada por Deus para formar a Igreja, um povo com privilégios ainda maiores do que aqueles dados a Israel.

O evangelho que é pregado hoje, no período da Igreja, é diferente do evangelho do Reino. O cristão não está esperando um Rei. Aliás, em nenhuma carta dos apóstolos você encontra que Jesus seja Rei dos cristãos. A estes é prometido que irão reinar sobre a Terra com Jesus, o Rei aguardado por Israel. O evangelho pregado hoje é o evangelho da graça de Deus, e ainda não alcançou todo o mundo como o evangelho do Reino alcançará. A mensagem não é mais "arrependam-se que o Reino de Deus é chegado", mas "creia no Senhor Jesus e você será salvo". Você já creu? Creia para não ser deixado para trás. Nos próximos 3 minutos veremos o quanto existe de judaico nas profecias de nosso capítulo.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Meus Dois Filhos

O sonolento silêncio da manhã foi quebrado pela campainha do telefone. Era meu marido ligando do hospital. "Venha rápido ao hospital! Dale sofreu um acidente de motocicleta e é grave"

Eu sempre me preocupei pelo interesse que, desde a adolescência, Dale tinha por velocidade, e fiquei mais preocupada ainda depois que ele, casado e com dois filhos, comprou uma motocicleta. Eu sabia que motocicletas eram perigosas, mas o que poderia ter acontecido tão cedo de manhã? 

Meu marido e nossos dois filhos, Roy e Dale, haviam planejado se encontrar em uma lanchonete para tomarem o café da manhã juntos. Ao invés disso, estávamos todos indo para um encontro no pronto-socorro. 

Fui buscar a esposa de Dale e, juntas, corremos para o hospital. Meu marido e Roy rapidamente nos explicaram o que o médico havia falado: os ferimentos de Dale eram bem graves. Logo ele teve que ser transferido, por ambulância, para outro hospital. 

As horas passavam, enquanto aguardávamos pelo fim da cirurgia, mas não houve nenhuma melhora. Dois dias depois Dale for transferido para o Lar celestial para estar com seu Salvador, onde não há mais dor ou tristeza. 

Foi difícil suportarmos a perda, mas estávamos gratos por sabermos que Dale pertencia ao Senhor Jesus. Podíamos nos lembrar de quando ele tinha só sete anos de idade e disse que queria se tornar um filho de Deus. Ele havia feito uma oração simples e sincera: "Querido Senhor Jesus, perdoa os meus pecados e vem morar em meu coração e em minha vida. Eu Te aceito como meu Salvador a gora. Obrigado por morrer na cruz por mim"

Tempos depois, quando ele já era um adolescente, Dale voltou a me assegurar: "Mamãe, nunca se preocupe comigo. Eu já tenho certeza do lugar para onde vou quando morrer... Já tenho tudo acertado entre eu e meu Senhor. Já tenho paz com Deus. 

Agora já tínhamos um de nossos filhos no céu. Mas se o acidente de moto tivesse sido com Roy, já não teríamos certeza se ele estaria seguro com seu Salvador. Roy não tinha paz e nem queria saber de ler a Bíblia. Para ele a morte era algo que só acontecia com os mais velhos. Mesmo com o passar do tempo, ele não conseguia se conformar com a morte de seu irmão, e por isso não tinha descanso em seu coração. 

A fim de ganhar algum dinheiro extra nas férias, Roy arranjou um emprego de bombeiro florestal em British Columbia. Ele era um dos primeiros a seguir para o local do incêndio. Às vezes precisava descer do helicóptero par uma corda, quando o lugar era de difícil acesso. 

Planejamos passar um final de semana com Roy, mas ele ligou e nos disse que teria que trabalhar naquele período. Ficamos tristes, mas acabamos fazendo planos para irmos a outro lugar naquele dia fazia quatro anos desde a morte de Dale. 

Logo que voltamos para casa, um oficial da Policia Montada Canadense veio nos trazer a noticia que nos chocou - Roy havia morrido em um acidente de helicóptero. 

Nossos corações foram abalados com intensa dor, e, em nossa tristeza, voltamo-nos para Deus. Esta perda era muito maior, já que não podíamos ter certeza se Roy tinha ido encontrar-se com Dale e com seu Salvador no céu. 

Então chegou Rodney, um grande amigo de Roy. Ele nos contou que havia jantado com Roy na Quinta-feira antes de sua morte. Naquela noite Roy contou-lhe que tinha acertado sua vida com o Senhor. "Não existe nenhum pecado em minha vida que não tenha sido perdoado", disse Roy ao seu amigo. E no final da conversa, Roy e Rodney haviam orado juntos. 

Que maravilhosas palavras de conforto foram aquelas. Agora sabíamos que nossos dois filhos estavam no céu com o Salvador. Ainda sentimos a falta deles, mas sabemos que logo iremos nos encontrar no céu. 

Esperamos que a história da morte de nossos filhos possa mostrar a você que a morte pode vir a qualquer idade, e que geralmente vem sem avisar. Se você estivesse no lugar de Dale ou Roy, será que estaria no céu agora? Se sua resposta for "Eu espero que sim", então por que não ter certeza? Você também pode ter o perdão e a certeza de que o céu será o lugar onde vai morar eternamente. "Estas coisas vos escrevi para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus" (1 João 5.13). 

Tudo o que Deus quer de você é uma simples oração de fé, reconhecendo sua necessidade de perdão e aceitando a obra de Cristo na cruz por seus pecados. "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça" (1 João 1.9). Por que não dar este passo de fé agora mesmo e ter paz com Deus? "Sendo pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 5.1).

O Parêntese Profético

(Comentário 1 Tessalonicenses 4:15-18)

Veja:


Nos últimos 3 minutos falei de um parêntese que já dura mais de 2 mil anos, o período da Igreja, que é o conjunto de todos os que creem em Jesus. A Igreja não aparece no capítulo 24 de Mateus, que trata de Israel e do mundo de um modo geral, e particularmente do remanescente de judeus que ainda irão crer em Jesus. Esse parêntese começou com a formação da Igreja no capítulo 2 de Atos dos Apóstolos, quando Deus deixou de tratar com Israel e passou a tratar com o conjunto dos que se convertem a Jesus, sejam eles judeus ou gentios. Esta é a Igreja ou Corpo de Cristo.

Esse parêntese termina com um evento conhecido como Arrebatamento e descrito em 1 Tessalonicenses 4. Ali Paulo diz que "nós, os que estivermos vivos, os que ficarmos vivos até a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem", isto é, aqueles que morreram na fé. Paulo se inclui entre os que ficariam até essa vinda do Senhor, pois esse evento não tem data para ocorrer. Tanto podia ter ocorrido nos dias do apóstolo, como pode ocorrer daqui a cem anos. Porém há indícios de que não vá levar cem anos.

Ainda que as profecias bíblicas tratem de Israel, e não da Igreja, pelo que escreveu o profeta Daniel e por outras passagens sabemos que a vinda de Jesus para estabelecer o seu reino deveria ocorrer sete anos após sua morte. Como o período da Igreja é um parêntese, uma inserção que teve início após a morte de Jesus, esses 7 anos estão numa espécie de animação suspensa. O gatilho para o relógio profético voltar a funcionar é o arrebatamento da Igreja.

Imagine que você viaje para visitar um amigo que mora 7 quilômetros antes da fronteira com a Argentina. Não há qualquer placa na estrada indicando quanto falta para chegar à casa de seu amigo, mas há placas indicando quanto falta para chegar à fronteira. O capítulo 24 de Mateus e outras profecias são as placas ou sinais que indicam quanto falta para a fronteira, para Cristo voltar em glória. Sete anos antes ocorre o arrebatamento.

A carta aos Tessalonicenses revela que, no arrebatamento, o Senhor Jesus descerá do céu, mas sem colocar os pés na terra, como acontecerá 7 anos depois quando vier para reinar. No arrebatamento ele vem só até as nuvens, e os que morreram na fé, ressuscitarão primeiro. Em seguida, os vivos que creem em Jesus terão seus corpos transformados e serão arrebatados para encontrar o Senhor nos ares. Nada disso será visto pelos incrédulos, como aconteceu com Jesus, que foi visto por mais de 500 discípulos depois de ressuscitar, mas por nenhum incrédulo.

Duas classes de pessoas serão deixadas para trás no arrebatamento: os que ouviram o evangelho e não creram em Jesus, inclusive os que creem só da boca pra fora, e aqueles que nunca foram evangelizados. Os primeiros jamais terão outra chance, apesar de muitos continuarem frequentando seus templos e serviços religiosos. Do outro grupo, dos que nunca foram evangelizados, muitos se converterão a Jesus, liderados por um remanescente de judeus convertidos e fiéis. É a eles que Jesus dirige o seu discurso do capítulo 24 de Mateus, ao qual voltaremos nos próximos 3 minutos.

sábado, 19 de outubro de 2013

Fé ou Sentimento?

"Se ao menos eu pudesse me sentir salvo", me disse um oficial, quando disse a ele que o Senhor Jesus tinha feito o suficiente para salvar sua alma.

"Mas", disse eu, "você não precisa se sentir salvo; apenas creia. Sua salvação não depende de seus sentimentos. Eu acreditei em Cristo por cerca de duas semanas antes de saber que eu estava salvo. Eu poderia ter sabido disto antes, mas eu estava esperando para me sentir salvo."

"Então, enfim, eu disse: 'Bem, se eu não me sentir salvo até que eu me encontre no Céu, ainda assim descansarei apenas na Palavra de Deus'. Deus disse em Sua Palavra: 'Aquele que crê no Filho tem a vida eterna' (João 3:36) Eu sei que eu creio em Cristo. E então o pensamento invadiu minha mente: 'Você sente que tem a vida eterna?' Eu não podia dizer que sentia. 'Então você não pode ter esse sentimento', foi o meu próximo pensamento."

Deus Diz


"Então me lembrei, que Deus diz: 'Aquele que crê no Filho tem a vida eterna'. Eu sabia que eu realmente acreditava em Cristo, e portanto que eu tinha a vida eterna, sentindo isto ou não. Deus disse que eu tenho, e devo acreditar nEle e não em meus sentimentos. Acho que então aquele tormento me deixou, porque soube que estava seguro por causa da Palavra de Deus que nunca muda. Eu não pude sentir alegria e paz até muito tempo depois."

"Creio que você esteja certo", disse o jovem que estava escutando atentamente. "Sempre pensei que eu não fosse salvo ao menos que tivesse um bom sentimento acerca disto."

Por favor, assegure-se de que você não esteja sendo enganado, sendo tentado a confiar em sentimentos em vez de Cristo, ou esperando sentir, quando você deveria crer e ser salvo. "Sentimentos" são coisas mutáveis assim como o mercúrio dentro do termômetro - às vezes está alto, e às vezes está baixo.

O oficial foi mantido longe da salvação porque esperava por "sentimentos" em vez de simplesmente confiar no sangue de Jesus. "O sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado." (1 João 1:7).

Perfeita Paz de Espírito


Você crê em Jesus, mesmo não se sentindo salvo? Se você está realmente confiando em Jesus, você pode gozar de perfeita paz de espírito, uma vez que Deus o ressuscitou dentre os mortos, "para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus" (e não em seus sentimentos) e que, "tendo sido, pois, justificados pela fé" (e não por sentimentos), você "tenha paz com Deus" (1 Pedro 1:21; Romanos 5:1).

Uma vez que Jesus Cristo ofereceu-se a Si mesmo e foi aceito por Deus como um todo suficiente sacrifício pelos pecados, não seria justo da parte dEle justificar a você, um crente em Jesus? Ao ser justificado, você é considerado justo aos olhos dEle. E ele se alegra em fazer dessa maneira!

Satanás sugere que se você não se sente justificado quando crê, você não está. Mas Deus diz, "Por Ele é justificado todo aquele que crê." (Atos 13:39). Você é justificado, mesmo que não sinta isto, mas apenas porque Deus disse que você é. Ouça Sua voz, e tenha paz com Deus.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Profecia

(Comentário Mateus 24:1-3)

Veja:

Os capítulos 24 e 25 do evangelho de Mateus são proféticos. Isto significa que eles não farão muito sentido para você, se ainda não tiver crido em Jesus como seu Salvador. A profecia bíblica não foi dada para a curiosidade humana e, embora ela fale dos eventos neste mundo, seu principal tema é Jesus. Apocalipse 19:10, diz: "O testemunho de Jesus é o espírito da profecia".

Mateus 24 começa com Jesus saindo do Templo de Jerusalém pela última vez. Nunca mais ele iria colocar os pés ali. Enquanto os discípulos tentam chamar sua atenção para a beleza da construção do Templo, Jesus deixa claro uma coisa: Não ficará nela pedra sobre pedra que não seja derrubada. Para entender este capítulo é preciso ter em mente que Jesus está falando a seus discípulos, que são judeus, vivem sob a Lei dada por intermédio de Moisés e estão raciocinando dentro do contexto cultural e religioso de Israel, não da Igreja, que só viria a existir mais tarde.

Por isso, quando eles perguntam "Quando acontecerão essas coisas?",estão se referindo à destruição do Templo, e ao perguntarem "Qual será o sinal da tua vinda?" estão falando da vinda de Jesus como o Messias para estabelecer o seu reino em Israel. E a pergunta sobre "o fim dos tempos" não está se referindo ao "fim do mundo", mas ao fim de uma era, daquele estado de coisas que precediam o estabelecimento do reino.

Historicamente a Igreja é uma espécie de parêntese profético que foi aberto com a rejeição momentânea de Israel e por isso a profecia bíblica deve ser vista como uma linha contínua do tempo, que sofre uma interrupção que já dura 2 mil anos, e depois é retomada 7 anos antes da vinda de Jesus para reinar sobre Israel. Este capítulo fala desses 7 anos e os discípulos aqui, por serem judeus, são tratados como se eles próprios fossem participar desse período que, para nós, ainda é futuro.

No capítulo 9 do livro do profeta Daniel aprendemos que, após a morte do Messias, haveria um período de 7 anos, na metade do qual o anticristo entraria em ação. A primeira metade desses 7 anos chamados de Tribulação é apresentada neste capítulo como o "início das dores". A segunda metade, chamada de Grande Tribulação, é um período de sofrimentos jamais vistos.

Jesus não responde diretamente a primeira pergunta, sobre quando o templo seria destruído, mas sabemos que no ano 70 o exército romano incendiou o Templo, que era construído de pedras e revestido de madeira e ouro laminado. O fogo derreteu o ouro, que escorreu por entre as pedras das paredes, não deixando alternativa aos invasores senão desmontar o Templo, pedra por pedra para raspar todo o ouro. Esta profecia já se cumpriu; não ficou pedra sobre pedra.

Aponte agora o seu telescópio para um tempo ainda futuro, quando os judeus voltarão ao palco das atenções de Deus e o relógio profético voltará a bater após o intervalo que é o atual tempo da Igreja, a qual não é tratada diretamente na profecia. É disso que eu falo nos próximos 3 minutos.

M. Persona. Fonte: http://www.3minutos.net/2009/01/96-profecia.html

Saiba mais sobre profecias aqui e aqui.

domingo, 13 de outubro de 2013

Diana - A Morte de uma Princesa

Todos já ouvimos contos de fadas de príncipes e princesas quando éramos crianças. Qual a menina que não quis ser Cinderela - a jovem pobre e desprezada que é amada por um príncipe, o qual se casa com ela e a leva para morar num castelo, felizes para sempre. Em 1982 essa história parecia se tornar realidade. Uma jovem e bonita professora de jardim de infância tornava-se esposa do Príncipe de Wales.

Um passado igual ao de muitas jovens


Muitas jovens se identificaram com ela. Vinda de um lar desfeito, com problemas de timidez e insegurança, Diana era a imagem daquilo que muitas mulheres trazem dentro de si. Seu casamento com um Príncipe parecia um conto de fadas. Milhares de mulheres em todo o mundo viam nela a concretização de seus sonhos. 

Traída, assim como muitas mulheres


Logo um outro grupo de mulheres podia se identificar com ela - aquelas que um dia foram traídas e desprezadas por seus próprios maridos. E à medida que o tempo passava, mais mulheres iam se identificando com ela: as deprimidas, as enfermas, as que buscavam um amor sincero. E quando Diana encontrou um novo amor, parecia estar realizando não apenas seu próprio sonho, mas o de milhares de mulheres que gostariam de estar em seu lugar. 

Uma luz no fim do túnel


À semelhança de milhares de suas admiradoras, Diana sempre acabava encontrando uma luz no fim dos escuros túneis por onde passou e sempre saía mais amadurecida e pronta para novos desafios. As muitas coisas que sofreu a ajudavam a pensar também nos menos favorecidos, levando-a a envolver-se em programas de ajuda a aidéticos, mutilados por minas terrestres e tantos outros para os quais a vida continuava a ser um túnel escuro. 

O último túnel


Mas quando o carro que levava a mulher mais fotografada do mundo, que ainda admirava o anel de diamantes que acabara de receber de presente, entrou em um túnel sendo perseguido por fotógrafos, não havia uma saída no final. Aconteceu a tragédia, Diana não sairia daquele túnel com vida. Ela e aquele a quem amava encontraram a morte ali. Seus sonhos estavam definitivamente desfeitos.

Nos passos de Diana


Talvez você possa se identificar com a infância de Diana em um lar desfeito, com pais divorciados, ou em sua timidez de estudante. Talvez tenha visto nela a realização de seus próprios sonhos de uma mulher encontrando um príncipe. Ou quem sabe você estivesse entre as muitas que podiam se identificar com a dor e a traição que ela sofreu em seu casamento. Pode até ser que você tenha compartilhado com ela a emoção da perspectiva de um novo amor. Talvez você tenha seguido seus passos em seu coração até a entrada daquele túnel em Paris, radiante com a beleza do anel de diamantes e tudo o que significava.

Estamos prontos?


Mas e depois? Não sabemos se a morte estava em seus planos, mas teve que enfrentá-la. Poderia você se identificar com ela na morte assim como se identificou em muitos aspectos de sua vida? Poderia ter acontecido comigo ou com você. Será que eu e você estamos prontos para enfrentar a morte? Será que estamos prontos para passar desta vida para a eternidade? Isto é algo de que precisamos ter certeza de antemão. A eternidade é tempo demais, é um tempo muito grande, muito importante, para entrarmos nela despreparados. 

Existe uma saída!


A boa notícia para você é que existe uma saída! Nascemos em desenfreada corrida em direção à morte e perdição eterna pelo fato de sermos pecadores. Porém Jesus Cristo tem a solução para o pecado e a morte. Dele a Bíblia afirma que "Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o Justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus... e foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras". (1 Pedro 3:18, 1 Coríntios 15:4Ele morreu por mim e por você, levando sobre Si o castigo que nós merecíamos para que pudéssemos ficar livres da morte e condenação eterna.

Prepare-se


Como nos preparamos para a morte? Basta crer em Jesus, o Filho de Deus. Ele próprio afirmou: "Quem ouve a Minha palavra, e crê nAquele que Me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas PASSOU DA MORTE PARA A VIDA" (João 5:24). Aceite agora mesmo Aquele que disse: "Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância" (João 10:10). 

Reverência

(Comentário Mateus 23:6-12)

Veja:


No capítulo 23 de Mateus Jesus continua falando dos religiosos que queriam parecer mais espirituais do que os cidadãos comuns. Roupas, diplomas e títulos podem servir muito bem para diferenciar as pessoas em qualquer instituição humana, mas não nas coisas de Deus. Na Igreja, que é o conjunto de todos os salvos pela fé em Jesus, somente Jesus deve se destacar. Neste capítulo ele ensina que ninguém deve ser chamado por algum título que o diferencie de seus irmãos.

Seus discípulos não deviam chamar uns aos outros de "rabi" ou "rabino", que no hebraico significa "mestre" ou "grande", por serem todos iguais e terem apenas um mestre: Jesus. A ninguém deveriam chamar de "pai" ou "padre", no sentido de alguém espiritualmente superior. Há um só Pai, aquele que está nos céus.

Na sociedade reverenciamos pessoas que alcançaram alguma posição por esforço e mérito. Doutor, Mestre, Excelência, Meritíssimo etc. são títulos que concedem diferentes graus de reverência aos diferentes cargos e profissões de destaque. Na sociedade isso é correto, mas nas coisas de Deus não.

Mas, infelizmente, nas coisas de Deus, onde recebemos a salvação e os dons por graça e não por esforço, o que vemos? Homens recebendo títulos e reverência como se fossem superiores a seus irmãos. Talvez você seja um deles e nunca pensou nisso, mas confira com o que Jesus ensina neste capítulo. Será que depois de ler este capítulo você se sentiria bem em ser chamado de "Doutor em Divindade"? Fala sério, você teria coragem de dizer que é tão entendido nas coisas de Deus a ponto de ser chamado de doutor?

E que tal ser chamado de "Sumo Pontífice", que significa "Chefe Supremo", ou "Eminência", que o dicionário define como alguém que tem superioridade moral e intelectual? Você se considera digno de ser reverenciado a ponto de adotar o título de "Reverendo"? Jesus disse que "o maior dentre vocês deverá ser servo". Já viu alguém chamar um servo de "Vossa Eminência" ou "Reverendo"?

Jesus continua ensinando que aquele que se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado. E segue descrevendo o que Deus pensa dos religiosos que se exaltam a si mesmos, que gostam de confete e de homenagens públicas. Os títulos que Jesus dá a eles não são nem um pouco nobres. Ele os chama de hipócritas, sepulcros caiados, guias cegos e insensatos, entre outras coisas. Quando você vê o tratamento que Jesus dava às pessoas nos Evangelhos conclui que, para ele, a escória da sociedade não eram as prostitutas, ladrões e assassinos.

Nos próximos 3 minutos Jesus vai falar de um futuro sombrio para Israel.

M. Persona. Fonte: http://www.3minutos.net/2009/01/95-reverencia.html

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O Túmulo Vazio

Em uma das vilas ao norte da Índia um pregador cristão estava falando em um mercado. Há, naturalmente, uma boa dose de discussão após tais reuniões, uma vez que a Índia é uma terra de muitas culturas. Um muçulmano veio a ele e disse: "Você deve admitir que nós muçulmanos temos algo que vocês cristãos não possuem. Nós ao menos podemos levar nosso povo à Medina onde podem ver a tumba de Maomé, mas quando vocês cristãos vão a Jerusalém, vocês não têm um caixão para ver. Vocês têm apenas um túmulo vazio".

Então o pregador respondeu: "Louvado seja Deus, você está certo! Esta é a diferença entre a nossa fé e a tua. Teu líder está em um túmulo, mas Jesus Cristo, cujo reino inclui todas as nações, famílias e tribos, não está em uma sepultura. Ele está ressuscitado! E Ele diz, estando ressuscitado: 'É-me dado todo o poder no céu e na terra' (Mateus 28:18)"

Nosso ressurreto Senhor é nosso eterno Salvador. E Sua promessa é: "Porque eu vivo, e vós vivereis." (João 14:19)

Um Homem de Verdade


Você pode perguntar: "Cristo realmente viveu?" Isto é algo que todos deveriam concordar - que esta Pessoa que alegava ser o Filho de Deus realmente viveu aqui na terra entre os homens.

Sabemos quando Ele viveu - por volta de 5 a.C. até 31 d.C.

Sabemos onde Ele nasceu - Em Belém, na Judeia, uma cidade de verdade, não uma mitológica. Sabemos onde Ele viveu a maior parte de Sua vida - em Nazaré, ao norte da Galileia. Lá Ele trabalhou como carpinteiro.

Conhecemos muitos das personalidades daqueles dias - seus nomes aparecem em outros escritos históricos fora da Bíblia: Herodes, o Grande; seu Filho Herodes Agripa, Salomé, Pôncio Pilatos, Tibério César, Gamaliel e Festo.

Cada história do mundo antigo e cada enciclopédia registra o fato de que Jesus viveu durante o primeiro século da nossa era. H. G. Wells, o historiador, tinha desprezo, na verdade um ódio, por quase todos os artigos da fé cristã, mas foi obrigado a dedicar páginas a Jesus de Nazaré em seu livro História Universal (Outline of History, em inglês).

Poder Incomparável


Milhões de pessoas em cada geração tiveram suas vidas agarradas e mudadas pela firme crença de que Cristo trouxe ao mundo a perfeita revelação de Deus, o único evangelho que liberta o homem do poder do pecado, lhe dando a única certeza do perdão e a única esperança sobre a vida futura.

Cristo fez mais para levantar e fortalecer os padrões éticos dos homens do que todos os filósofos da Grécia combinados. Dentre todos os grandes homens da história, Ele "está acima de todos""Para que em tudo tenha a preeminência" (Colossenses 1:18)

Jesus Cristo viveu! E agora "Ele vive sempre para interceder por eles", os que creem nEle (Hebreus 7:25)

No Que Devo Acreditar?


Uma senhora escreveu certa vez a um servo de Cristo, "Você poderia me mostrar exatamente no que devo acreditar? Ouvi falar de muitos textos, mas há tantos que estou confusa. Por favor, me mostre um único texto, e eu vou tentar acreditar nisso."

A resposta foi a seguinte: "Não é um único texto, e nem mesmo qualquer número de textos que salva a alma. É confiando na Pessoa e na obra do Senhor Jesus que somos salvos." "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo" (Atos 16:31)

Postagens populares